quinta-feira, 23 de agosto de 2018

CONSAGRAÇÃO A DEUS


Ap. Jota Moura

“Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis os vossos corpos por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional”. (Romanos 12:1)

1. SIGNIFICADO DA CONSAGRAÇÃO
Consagração é o sacrifício do culto a Deus. É um ato de adoração profunda e sincera. Consagrar-se é apresentar-se diante de Deus com as mãos cheias. É oferecer-se a si mesmo ao Senhor. O ato de se consagrar ao Senhor significa colocar- se no altar de Deus para ser apenas um servo, em sacrifício
vivo, santo e agradável. Por tríplice razão nos tornamos propriedade de Deus:
1) porque Ele nos criou (Sl 24:1);
2) porque Ele nos amou e comprou com o sangue precioso de Jesus (I Pe 1:19);
3) porque nós o amamos e nos entregamos a Ele em consagração total. (2Co 5.15).

2. ALVO SUPREMO DA CONSAGRAÇÃO
O alvo supremo da consagração é o serviço ao Senhor que promove o Seu Reino. O “sacrifício vivo” ficava diante do sacerdote por tempo indeterminado. No caso de animais, poderia ficar para o serviço do campo ou poderia ser oferecido a Deus em holocausto a qualquer momento. Em termos humanos, temos o exemplo de Samuel, que foi um sacrifício vivo, oferecido por sua mãe, Ana e seu pai Elcana. Samuel cresceu na presença de Deus desde pequeno, morando no templo e obedecendo às orientações
do sacerdote Eli (1Sm 1.28). Foi chamado para o serviço profético e sacerdotal, e serviu também como juiz e líder em Israel.
Todo convertido a Cristo deve ser um servo (1Co 6.20). Deve estar pronto a cumprir a vontade do Pai Celestial. Deve amar como Jesus amou. Deve estar ligado ao corpo de Cristo e viver em santidade e prontidão para o Senhor.
Quando compreendemos o valor que temos para Deus, o preço que custamos para Ele, o propósito que Ele tem para nossas vidas, então, há grande alegria em dizer: “eis-me aqui, Senhor. Envia-me a mim”. (Is 6.8).
Você já disse isto ao Senhor? Você já se consagrou inteiramente a Jesus Cristo e Seu Reino? Leia e medite: Is 6:1-8; Sl 24: 1-2; Sl 16:2-8; At 20:18-36; IJo 3: 9-16.

3.DESAFIOS DA CONSAGRAÇÃO
1) Separe cânticos de consagração e cante-os de todo o coração ao Senhor diariamente com devoção.
2) Coloque diariamente diante do Senhor seu projeto de vida para o ano de 2018 e ore por seu crescimento na graça e comunhão com o Senhor e ministério no Reino.
3) Faça uma consagração específica de cada parte de seu corpo para o uso exclusivo de Deus. Proclame que seus ouvidos pertencem somente a Ele, sua boca falará a sua bendita Palavra (evitando palavras vãs, torpes como a mentira, a ira, a falsidade, a vaidade, etc).
Suas mãos e seus pés estarão dispostos a ir e fazer apenas o que o Senhor ordenar, aleluia!
4) Participe regularmente das reuniões de culto em sua Igreja CBSI com toda a sua família consagrando bens e talentos ao serviço de Deus.
5) Seja sensível ao chamado do Senhor, estando pronto para obedecer: sendo um intercessor; fazendo tudo em atitude de adoração e levando a Palavra do perdão e da salvação às pessoas com quem você convive.
Até que Cristo venha!

O MINISTÉRIO DA DIACONIA



Ap. Jota Moura

“Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu como bons despenseiros da multiforme graça de Deus”. (1 Pedro 4.10)
O termo ministro/ministério abrange a todos os serviçais da Casa de Deus, como veremos a seguir pelo exame da Bíblia.
1. NO ANTIGO TESTA­MENTO
1) Meshareth uso restrito - vocábulo hebraico (na Septua­ginta, leitourgos) e seus correla­tos, normalmente se referem ao serviço no templo ou à minis­tração dos anjos (Sl. 104.4).
2) Meshareth uso geral - Josué é o servidor de Moisés (Êx. 24.13; Js. 1.1), e os criados de Salomão (I Rs. 10.5) são seus servos domésticos.
2. NO NOVO TESTAMEN­TO
1) Diákonos o servidor das mesas - É a palavra característi­ca do NT, a princípio num sen­tido não técnico, e em Fl. 1.1 e nas epístolas pastorais, como o título de um oficial eclesiásti­co. Refere-se ainda ao serviço temporário ou permanente, quer realizado por escravos quer por livres; mas tem o sentido espe­cial de servir às mesas. O próprio Cristo aparece entre os discípu­los como ho diakonon ou aquele que serve (Lc. 22.27), e pode ser descrito como um diákonos da circuncisão (Rm. 15.8). Se­guindo o exemplo desse humil­de serviço, os maiores cristãos, à semelhança de Cristo, devem ser os ministros dos demais (Mt. 20.26; Mc. 10.43). Assim é que encontramos os apóstolos e seus auxiliares designados como min­istros de Deus (2 Co. 6.4; I Ts. 3.2), ministros de Cristo (2 Co. 11.23), ministros do Evangelho (Ef. 3.7; Cl. 1.7), ministros da Nova Aliança (2. Cor. 3.6), min­istros da Igreja (Cl. 1.25) ou em sentido absoluto (1 Co. 3.5; Ef. 6.21).
Os sete diáconos da Igreja de Jerusalém foram apontados para servir as mesas diakonein trapezais, e sua obra primária era visitar de casa em casa e aliv­iar as necessidades dos pobres e enfermos. Os diáconos eram os principais agentes, mediante os quais a Igreja expressava sua comunhão mútua de serviço e a caridade de Jesus Cristo, nos­so Deus Salvador e Senhor aos homens.
Febe em Romanos 16.1 é uma mulher descrita como diakonos ou diaconisa na igreja de Cen­créia. As ministras ou diaconi­sas se desenvolveram na igreja principalmente a partir do sécu­lo terceiro da nossa era (1 Tm. 3.8-13).
É bom observar também que Satanás tem igualmente seus ministros (2 Co. 11.15); existe até o ministro do pecado (Gl. 2.17); e o poder secular ou pod­er público do Estado reputado também como ministro de Deus (Rm. 13.4).
2) Doulos o escravo de Cristo - A humildade do serviço cristão é salientado ainda mais poderosa­mente mediante o emprego desta palavra. Esta forma de escravo foi o tipo que Cristo assumiu (Fl. 2.7), sendo também os apóstolos designados doulos ou escravos de Cristo (Rm. 1.1; Gl. 1.10; Cl. 4.12). Assim sendo, o ministro realiza o serviço humilde de um escravo ao Seu Soberano Sen­hor, assim como o ministro é um doulos, um escravo de Cristo.
3) Hy­peretes o remador de segunda classe - É outro termo usado para descrever o ministro do Evangelho e que passou a sig­nificar qualquer pessoa que ocu­pa uma posição subordinada. O próprio apóstolo Paulo ufana­va-se de ter recebido de Cristo tal posição na galera da Igreja (At. 26.16; I Co. 4.1).
4) Leitourgos o ministro do Templo - termo aproveitado pelo Novo Testamento em sentido cristão, para designar o ministro do Evangelho de Cristo. Origi­nalmente se referia ao servidor público, tendo então adquirido sentido religioso, conforme se emprega na Septuaginta. Dessa maneira Cristo aparece como leitourgos do templo celestial (Hb. 8.2) e os anjos são espíri­tos litúrgicos, isto é, ministrantes espirituais da parte de Deus aos Seus filhos (Hb. 1.14). O verbo correspondente é empregado também para identificar os pro­fetas e mestres que ministravam em Antioquia (At. 13.2).
Assim sendo, na compreensão cristã histórica sobre o ministério, quer oficial ou não, todos os cris­tãos são chamados de ministros na Casa (templo) do nosso Deus (1 Pe. 2.9). Um verdadeiro min­istro presta um humilde e amo­roso serviço a Deus, servindo em nome de Cristo a todos os seres humanos que Ele amou de tal maneira que deu Seu Filho para morrer na cruz por eles (Jo. 3.16). Amém!

CBSI EM 60 ANOS MEMORÁVEIS

Uma Igreja apostólica implementando o Reino de Deus

“E este Evangelho do Reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações e então virá o fim”. (Mateus 24.14)

Após perseverantes esforços evan­gelísticos da Missionária Rosalee Mills Appleby e de outros bandeirantes da fé, em 06 de junho de 1958 foi orga­nizada a amada Igreja, inicialmente nominada Igreja Batista em Barreiro, hoje, Comunidade Batista Shalom In­ternacional.

VISÃO PIONEIRA
A americana Rosalee, missionária da Junta de Richmond (CBB), mulher cheia do Espírito Santo, de fé e deter­minação, sonhava com a implantação de uma grande e poderosa Igreja no Barreiro/BH. Igreja esta, que seria pla­taforma de lançamento missionário de inúmeros obreiros para a grande seara. Igreja missionária no poder do Espírito Santo. Igreja operosa e forte, porque baseada na grandeza e força do Senhor. Igreja com uma visão mis­sionária ampla, altaneira e global.
Assim, nossa Igreja nasceu funda­mentada em um grande sonho mis­sionário. O que no início era sonho e ideais, tornou-se realidade. Além de inúmeras pessoas terem se converti­do conosco e muitas espalharam-se por incontáveis lugares e igrejas, esta Obra continua crescendo nacional e in­ternacionalmente. Os planos de Deus têm se cumprido em nós: levar o Evan­gelho a todo o mundo. “...E este evan­gelho do Reino será pregado em todo o mundo...” Mateus 24.14.

PRIMEIROS PASTORES
Após a organização da Igreja, assu­miram sucessivamente a liderança da mesma, os seguintes obreiros:
l Evangelista Ary Veloso da Siva - 1958/1960.
l Pastor Genecy Jardim Farizel - 1958/1959.
l Pastor Ilton Quadros Cordeiro - 1960/1968.
l Pastor Wilton Araújo Sampaio -
1968/1973.

MINISTRO JOTA MOURA
No dia 1° de dezembro de 1973, foi empossado no pastorado da Igreja Batista do Barreiro, o então Pastor Jo­sibel de Moura Rocha, hoje, Apóstolo Jota Moura, presidente desta Obra. Chegou aqui, após 3 anos de aben­çoado pastoreio na 2ª Igreja Batista de Aimorés. Veio trazido nas asas do Espírito Santo. Assumiu o pastorado, doente. Depois de pedir sinais a Deus, os quais foram cumpridos, dando-lhe plena convicção da direção divina. Curado por Deus, ele foi o idealizador e implantador do que hoje é a Comu­nidade Batista Shalom Internacional. Estabeleceu um ministério pastoral co­legiado, incluindo pioneiramente entre os batistas do Brasil, as mulheres no pastorado.

MUDANÇA DO NOME
Aconteceu numa assembléia da Igre­ja em 14 de outubro de 1979, quando o nome Igreja Batista em Barreiro foi substituído por Comunidade Batista Shalom (acrescentando-se depois, In­ternacional). A mudança fez parte de um plano para o crescimento unido da Igreja, visando alcançar outras regiões e povos. Shalom é a nossa mensagem de paz, pois é da paz do Senhor que todos nós mais necessitamos. Shalom identifica o nosso Deus - Jeová Sha­lom, identifica a nossa filiação divina e a nossa mensagem. Identifica a nos­sa dinâmica eclesiástica de preservar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz. Fala também da nossa esperança de um Reino eterno de paz. Este novo nome, portanto, tem uma mensagem global, ampla, geral e irrestrita. Mu­damos o nome, mas não perdemos a nossa identidade e nem as nossas raí­zes históricas.

MENSAGEM DO REINO
Em Janeiro de 1986, após trinta dias de jejum e oração, o ministro Jota Moura teve um grande arrebatamento de espírito, quando no monte com cer­ca de 200 irmãos, Deus lhe mostrou as coisas novas que Ele faria no meio do Seu povo. A partir desta grande expe­riência, as mudanças começaram a acontecer. Nada do que pertencia ao velho sistema religioso deveria perma­necer, pois naquele dia Deus estava começando a fazer coisa nova. As velhas estruturas estavam sendo der­rubadas, a religiosidade vazia estava caindo por terra, e uma grande revolu­ção espiritual começou em nosso meio e simultaneamente em todo povo de Deus. O impacto do poder de Deus foi tão grande, que o ministro Jota Mou­ra esteve em êxtase durante 15 dias, sem comer, sem beber, sem dormir!
O Reino de Deus estava sendo re­velado a nós. Muito mais do que uma simples religião, tornamo-nos um povo comprometido com a mensagem e demandas do Reino de Deus à luz da Bíblia Sa­grada.

PASTORES DA AUSÊNCIA
Em 1995, após o chamado do minis­tro Jota Moura para implantar a CBSI Boston, a então pastora Sandra Mello Rocha, hoje Bispa Sandra, assumiu o pastorado interino da CBSI Sede, sendo efetivada em 1997 e liderou até 2005.
Em fevereiro de 2008, o jovem ca­sal de ministros Wilza Leal P. Lino e Wanderson Lino foram empossados no pastorado da CBSI Sede permane­cendo em sua liderança até 2017.

IGREJA SINGULAR
Com o retorno para o Brasil do ago­ra apóstolo Jota Moura, reconhecido pela ICA (2004), depois de um tempo na implantação da CBSI Memorial, em 1 de dezembro 2017, realizou-se a fu­são da Memorial com a Sede Campus, tornando-se na CBSI Sede Unida sob a titularidade do Ap. Jota Moura.
Somos singulares desde nossa fun­dação, pois fomos a primeira Igreja evangélica fundada no Barreiro. Hoje somos uma Igreja-mãe fértil, agracia­da com muitas igrejas-filhas preciosas.
A CBSI tem sua sede geral no Bra­sil (Belo Horizonte - MG), com bases missionárias nos EUA (Boston - MA); na Bolívia (Sta. Cruz de La Sierra) e na África (Gâmbia).
Não poderia ser diferente, pois uma Igreja plataforma missionária gera obreiros e planta igrejas, enquanto propaga o evangelho do Reino por todo o mundo. Em 2018, comemora­mos 60 anos de história, nosso Jubileu Diamante. Gerações já se passaram, mas a promessa de Deus permanece viva para esta Igreja hoje. Não temos dúvidas de que somos um povo que Deus separou para proclamar o Evan­gelho do Reino. “Nós somos o povo a quem Deus libertou, verdadeira­mente somos livres!”
Estamos sendo restaurados ao pa­drão da Igreja Neotestamentária com Apóstolos, bispos, pastores, presbíte­ros, diáconos e outros ministérios do Reino de Deus. Sabemos que isto é apenas o começo daquilo que Deus prometeu fazer através de nós.
ATÉ QUE ELE VENHA!

ANDE NO CAMINHO DO REINO

Ap. Jota Moura  “E este evangelho do reino será prega­do no mundo inteiro, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.”...