quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

RESTAURAÇÃO DO TABERNÁCULO DE DAVI



Ap. Jota Moura

Naquele dia levantarei o tabernáculo caído de Davi, repararei as suas brechas, e levantan­do-o das suas ruínas restaurá-lo-ei como fora nos dias da antiguidade.” (Amós 9.11).

Em Atos 15.1-29, uma questão foi levantada acerca da possibilidade de os gentios serem aceitos como cristãos sem se submeterem à Lei de Moisés. Pedro respondeu pela observação de que nem os judeus nem os seus pais haviam sido capazes de suportar o peso da lei; portanto, não fazia sentido fazer pesar o peso da Lei sobre os gentios. “Mas cremos que seremos salvos pela graça do Senhor Jesus Cristo, como eles também” (v.11). Tiago confirmou a afirmação de Pedro, citando uma passagem de Amós, na qual Deus promete “reedificar o tabernáculo de Davi... para que o resto dos homens busque ao Senhor” (At 15.16-17). Muitas outras Escrituras se referem ao tabernáculo de Davi, embora nem sempre com o mesmo nome. O nome frequen­temente usado é “Sião”, o monte de Jerusalém onde o tabernáculo estava e onde Deus habitou entre o seu povo. Joel 2 começa com um emo­cionante brado: “Tocai a buzina em Sião e cla­mai em alta voz no monte da minha santidade!” Hb 12.22 diz:” Mas chegastes ao monte Sião”. Ambos referem-se ao tabernáculo de Davi. Uma compreensão do conceito da restauração desse tabernáculo é essencial para entender o que Deus está fazendo na Igreja hoje.

1. ESPÍRITO SANTO O AGENTE DA RESTAURAÇÃO
A obra de restauração de Deus é a uma obra do Espírito Santo dentro e através das vidas daqueles que creram em Jesus e nasceram de novo do Espírito de Deus (Jo 3.3). O profeta Joel predisse um dia em que Deus derramaria seu Espírito “sobre toda a carne” (Jl 2.28-29). Assim, o seu poder seria compartilhado com todo o seu povo e não limitado a um indivíduo escolhido. Isso explica porque Cristo disse aos seus discípulos que convinha que Jesus os deix­asse e fosse para o Pai (Jo 16.7), porque, então, o Espírito poderia ser mandado para habitar em cada um deles, para enche-los e para capac­itá-los nas obras sobrenaturais de Deus, que se­riam feitas através deles. Tito 3.5-6 revela que mesmo a salvação – a regeneração do espírito morto do ser humano e a purificação que faz um homem aceitável a Deus – é a obra do Espírito Santo. Enfim, cumprir-se-á Atos 1.8.



2. SIGNIFICADO DO TABERNÁCULO DE DAVI
O Tabernáculo de Davi foi estabelecido logo após ele ter sucedido Saul como rei. A arca do concerto, que representava a presença e o pod­er de Deus, havia sido capturada pelos filisteus. Após uma série de pragas, os filisteus retor­naram-na a Quiriate-Jearim, onde ela permane­ceu na casa de Abinadabe (1Sm 4.1 – 7.1). Davi desejava a presença manifesta de Deus com ele e o povo de Israel, então ele procurou levar a arca para Jerusalém e coloca-la numa tenda no monte Sião (2Sm 6; 1Cr 13 – 16). Anterior­ à sua captura, a arca havia sido alojada no tabernáculo de Moisés – localizada na câmara interior chamada de Santo dos Santos. A nin­guém, exceto no sacerdote, era permitido entrar na presença da arca, e somente ele, uma vez por ano, tinha de salpicar o sangue de um animal sobre o propiciatório, que cobria a arca (Hb 9.1- 7). O povo podia se aproximar somente até o pátio externo do tabernáculo para apresentar seus sacrifícios e adorar a Deus. O Tabernáculo de Davi marcou uma mudança revolucionária daquele sistema de separar Deus do povo. Sem violar o espírito da lei de Moisés. Davi cultivou um espírito de intimidade, novamente, entre o povo e o Senhor.

3. RESTAURAÇÃO DA PRESENÇA MANIFESTA DE DEUS
O grande significado do tabernáculo de Davi mora no fato de que a arca, a verdadeira pre­sença de Deus, estava em volta entre o povo de Jerusalém. O povo era ensinado por Davi a adorar a Deus com louvor, ações de graças e júbilo. Uns dezesseis ministérios foram orde­nados para atuar vinte e quatro horas por dia, sete dias na semana. Nenhum dos ministérios estava relacionados com culpa ou condenação, todos refletiam o reconhecimento da misericór­dia e da bondade de Deus e a sua incondicional aceitação de todos que se aproximam dele na fé. A restauração do tabernáculo de Davi hoje em dia significa largar o legalismo, a mental­idade de julgamento e de condenação, voltan­do-se para o povo sofrido da Igreja e do mundo com os braços abertos de um Deus de amor (Hb 10.1-25). O Senhor está convidando todos para se voltarem a ele, para deixa-lo limpar todos os nossos pecados e para recebermos o frescor que vem ao estarmos na verdadeira presença do Senhor (At 3.19). Várias outras Escrituras de­notam que, em Cristo Jesus, Deus restaura o seu povo a um relacionamento íntimo de pai e filho, que foi quebrado pela desobediência de Adão. Todos os que creem nele são trazidos de volta para família de Deus (Ef 2.19) e são destinados a ser conforme a sua imagem (Rm 8.29).


4. RESTAURAÇÃO DA INTIMIDADE COM DEUS
A passagem em Ap 19.7-9 retrata a festa do casamento do Cordeiro, Jesus, quando ele cla­ma por sua noiva, a Igreja, após ela ter-se prepa­rado para ele. Em sua carta aos Efésios, Paulo explica como a noiva irá se preparar: submeten­do-se a Deus e permitindo-se ser purificada pela lavagem da água da sua Palavra, a fim de que ela possa ser apresentada ao noivo sem mácu­la, sem ruga ou defeito (Ef 5.25-27). Quando a noiva estiver pronta a Jesus voltar para ela, a intimidade quebrada no jardim do Éden será completamente restaurada, e o ser humano irá, novamente, se tornar um com Cristo e com Deus, assim como Jesus orou em Jo 17. Mas, assim como no primeiro “casamento” a espo­sa deve ser osso dos seus ossos e carne da sua carne – isso é, ela deve ser igual a ele, poder e a vestindo na sua glória.
Talvez a melhor maneira de re­sumir tudo o que a restauração sig­nifica para o cren­te como indivíduo seria o simples uso da palavra que Deus usou tanto no Novo como no Antigo Testamento: vida. Em Dt 30.20, Moisés disse do Senhor: Pois ele é a tua vida”. Em Cl 3.4, Pau­lo fala de “Cristo que é a nossa vida”. E Jesus disse: “Eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância” (Jo 10.10). Mas nenhuma pa­lavra excede o esplendor ou plenitude de Davi, quando ele disse do Senhor “Refrigera a minha alma” (Sl 23.3). A restauração, para o indivíduo, significa a substituição de uma morte espiritu­al por uma vida espiritual. Ezequiel 36.25-28 claramente descreve apenas um transplante. Mas não somente nós recebemos um novo tipo e qualidade de vida, como nós também cresc­emos nela. Em muitos versículos, nós vemos tal processo de crescimento como uma obra do Espírito Santo (Jo 16.23; 17.22; Rm 8.13; Fp 1.6; 2.13; Cl 1.27). Através do seu Espírito San­to, Deus continua e aperfeiçoa a obra que ele começou em nós na salvação.

5. RESTAURAÇÃO DA IGREJA DO NOVO TESTAMENTO
Para a Igreja como um todo, a restauração significa mais do que se tornar uma reprodução da Igreja do Novo Testamento. Isso implica na Igreja ser tudo o que Deus tinha em mente para ela ser: uma Igreja apostólico-profética em seus fundamentos (Ef 2.20-22). Lembre-se, a restau­ração compreende o estabelecimento de algo a mais, e melhor do que o original. Primeiro, a restauração significa que a Igreja irá mostrar um tipo de amor que Jesus demonstrou durante o seu ministério na Terra. Através do seu amor, ele disse, todos os homens conheceriam seus discípulos (Jo 13.34-35). A restauração também significa espalhar o poder de Deus, sem medi­da, através da Igreja. Este poder será espalhado através do se povo à medida que o dom do Es­pírito opere sem limites e sem restrições sob a direção do Espírito Santo – e no santo Espírito do amor de Deus (Jo 13.34-35). Através da com­pleta operação dos dons e dos ministérios que Deus estabelece, e agindo no amor que é essen­cialmente à sua natureza, a Igreja irá alcançar um grau de maturidade e união que pode ser me­dida somente em termos da medida da “estatura completa de Cristo” (Ef 4.13). À medida que a Igreja se trona uma casa espiritual (Ef 2.20), habitada por um santo sacerdócio, que oferece sacrifícios espirituais agradáveis a Deus, por meio de Jesus Cristo (1Pe 2.5), todos os homens serão atraídos para ele; o mundo irá, por fim, ver a glória de Deus através dessa Igreja restaurada. Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

BASILEIA APOSTÓLICOS MINISTÉRIOS INTERNACIONAL

“Por isso, Deus disse em Sua sabedoria: Eu lhes enviarei profetas e apóstolos...” Lc. 11:4.         A Rede Basileia Ministérios Ap...